Especial Battlecry com Jorge Gante

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Especial Battlecry com Jorge Gante

Mensagem por Sabor Gerações em Sab 24 Jan 2015, 16:25

ESPECIAL BATTLECRY - SIC Radical
com Jorge Gante



A emissão inicia com a música The Fight Song de Marylin Manson, tema oficial do Battlecry, a ecoar pelo estúdio. Nele é focado em grande plano - como fundo - o cartaz do evento em extensas proporções, com Jorge Gante e Edward Hosking em grande destaque.

Duas cadeiras estão posicionadas lado a lado. À direita, a repórter feminina da Ultimate Wrestling League, Daniela Fernandes, num elegante vestido vermelho vivo; à esquerda, o finalista do torneio Master of the Mat, Jorge Gante, com uma camisa branca e calças negras.

Conforme a música vai gradualmente desvanecendo até o volume ser nulo, a câmara aproxima-se dos dois centrando-os na imagem.


Daniela Fernandes (entusiasta): E que grande tema! E que grande programa temos hoje! Senhoras e senhores, sejam bem-vindos ao Especial Battlecry neste sábado, na véspera do evento, aqui na vossa SIC Radical, canal oficial da vossa Ultimate Wrestling League. Ao meu lado tenho Jorge Gante, cabeça de cartaz amanhã no combate que irá ditar o primeiro Campeão Undisputed da história da federação!

Jorge Gante (sorrindo naturalmente): Boa noite Daniela e boa noite UWL. E, claro, agradeço a cortesia do convite para estar aqui hoje... É uma honra poder representar a voz da federação e do próprio backstage em vésperas de um evento muito importante - o primeiro - para todos nós, como um todo.

Daniela Fernandes: Apresentações feitas e saudações dadas, passemos agora ao que nos trouxe aqui hoje, a análise deste evento e do seu respectivo cartaz... Começamos pelo combate de singulares que irá colocar o novato Dash frente ao homem mais temido do momento, o russo Cheryshenko.

O lutador da Covilhã respira durante breves momentos, reflectindo um pouco.

Jorge Gante: Bem... Pelo que tenho sentido não é um combate que tenha gerado muita expectativa, não. Praticamente ninguém fala dele, talvez por nenhum dos dois ter conquistado até ao momento público significativo. E talvez não seja só isso...

Daniela Fernandes: Mas Cheryshenko tem marcado um impacto imenso nas últimas semanas, é inquestionável...

Jorge Gante (rapidamente): Sim, é um facto. Provou ser um lutador a temer dentro do "quadrado", e é aí que realmente é forte. Mas fora dele? Não sei até que ponto não passará de merchandising mal vendido...

Daniela Fernandes: O que queres dizer?

Jorge Gante: É simples. Neste último vídeo promocional do russo - podemos usar o termo promo, aqui? - aparentemente falou-se em como os russos em geral permaneciam em silêncio continuando a trabalhar para um objectivo, em contraste por exemplo com o povo alemão que falava, se vangloriava...

Uma pausa de Gante, deixando Daniela na expectativa duma continuação do raciocínio.

Jorge Gante (expressivo): E eu questiono: o que fez Cheryshenko na sua primeira promo? Não se vangloriou de todas as suas streaks invencíveis, passo a expressão, em não sei quantas modalidades diferentes? Onde ficou o trabalho silencioso em busca dum objectivo?

A repórter emite um silêncio profundo, não encontrando uma resposta adequada às questões retóricas propostas.

Daniela Fernandes (atrapalhada): Passemos para o próximo combate... Um wildcard debut entre Daniel Kaiser e Sébastien Cabaye. Como avalias este novo sangue da federação, pronto a estrear-se num palco enorme?

Jorge Gante: Sou-te sincero Daniela, não conheço nenhum dos lutadores portanto qualquer avaliação que eu possa fazer neste momento poderá vir a ser ingrata, inconsequente. Mas claro, agrada-me a ideia de novos rookies terem a oportunidade de mostrar serviço, de provar talentos, num palco como o Battlecry. Revela uma aposta forte da direcção em produto novo, o que é de louvar, se considerarmos que um destes miúdos pode vir a vender pavilhões no futuro, quem sabe... São uma incógnita, wildcard, não é assim?

Daniela Fernandes: Alguma mensagem que queiras deixar a estes jovens lutadores em início de carreira?

O lutador respira fundo, inspirando-se.

Jorge Gante: Que no fundo conquistem o próprio lugar na federação pelas próprias mãos, não seguindo exemplos tristes como se tem verificado nos últimos anos no wrestling português... O combate pelo Título Hardcore vem a seguir, não é? Timing perfeito então.

A repórter acena em sentido de aprovação, enquanto Gante se ri discretamente.

Daniela Fernandes (tentando manter a conversa num tom sério): Precisamente, Jorge. Mas pegando nessa tua mensagem aos estreantes sobre maus exemplos no wrestling português, tens alguma ponte que a ligue ao Falls Count Anywhere pelo Título Hardcore? Foi, pelo menos, a sensação com que fiquei...

Gante sorri, abrindo depois os braços como se fosse fazer uma revelação crucial.

Jorge Gante: Estamos a falar dum combate em que é inserido Delmar Bento sem qualquer vitória na federação, por um título... Ainda para mais contra um tipo que já o venceu uma vez. Em que contexto Delmar "O Choramingão" fez por merecer esta title shot?

Daniela Fernandes: Sim mas...

Jorge Gante (interrompendo Daniela): Ainda para mais com o tipo de auto-promoção que tem feito, do mais reles, irrealista e falacioso que há... Pensava que a VLL já tinha terminado, a federação onde oferecem títulos ao Delmar em contextos duvidosos e questionáveis em que o próprio nem chega a combater... Pelo menos desta vez foi bookado num combate, menos mal... Por muito que já o tenha perdido há duas semanas.

Gante ri-se, provocando também em Daniela um breve sorriso.

Daniela Fernandes: E previsões para o combate?

Jorge Gante: Repito: por muito que já o tenha perdido há duas semanas. É tudo o que tenho a dizer sobre isso.

Fazem um sinal do backstage para a repórter anunciar intervalo, algo que por motivos óbvios não é visto na emissão.

Daniela Fernandes (dirigindo-se directamente à câmera): Bem, vamos fazer agora um pequeno intervalo... Mas continuem sintonizados, porque na segunda parte deste Especial Battlecry continuaremos à conversa com Jorge Gante, que ainda tem muito para nos dizer sobre o Gauntlet que irá decidir o Campeão Gen-X, a polémica toda envolto de Alex Torres nos últimos dias e, claro, o próprio combate em que Jorge Gante estará envolvido: a final do torneio Master of the Mat frente a Edward Hosking, que coroará o campeão máximo da UWL. Não percam! É já a seguir.
avatar
Sabor Gerações
Miguel Rossiter

Mensagens : 393
Data de inscrição : 24/12/2014

Ver perfil do usuário http://jorgebogalheiro.blogspot.pt/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Especial Battlecry com Jorge Gante

Mensagem por Sabor Gerações em Seg 26 Jan 2015, 01:32

A emissão volta para a segunda parte deste Especial Battlecry, com os intervenientes Jorge Gante e Daniela Fernandes nos seus respectivos lugares, a postos.

A câmera centra a imagem em ambos, como inicialmente.


Daniela Fernandes: E estamos de volta a este Especial Battlecry. Ao meu lado, Jorge Gante!

O lutador sorri em resposta ao anúncio da repórter.

Daniela Fernandes: Antes de irmos para intervalo tivemos em análise o combate de estreia dos novatos Kaiser e Cabaye, o combate entre Dash e Cheryshenko e, por último mas não menos importante, o Falls Count Anywhere pelo Título Hardcore entre James Brandão e Delmar Bento. E agora, o que nos resta Jorge?

A repórter gentilmente cede a palavra a Gante com um leve movimento de mão.

Jorge Gante: Ficámos no Gauntlet, correcto? Provavelmente a contenda mais esperada da noite, se esquecermos o main-event...

Daniela Fernandes: Correctíssimo. Já foram anunciados os participantes, e as respectivas entradas no combate. Em primeiro lugar Fédrix, que iniciará o duelo com o segundo lugar, o caricato Lucas Teles...

O lutador oriundo da Covilhã faz uma pausa, bebendo um pouco de água que havia sido colocada durante o intervalo ao seu lado.

Jorge Gante: Desses dois o que me salta mais à vista nem são os próprios lutadores, que me parecem ambiciosos, esforçados, competitivos... Mas talvez seja a forma como tem sido promovido o segundo, Lucas Teles.

Daniela Fernandes: Referes-te por exemplo ao vídeo lançado por Vinicius Nunes recentemente?

Gante expressa um esgar de puro desagrado.

Jorge Gante: Também, mas não só. Lamento que toda a campanha que tem sido feita para Lucas Teles ser focada em publicitar homens do passado, tais como António Andrade ou o próprio Vinicius. Mas lamento ainda mais que nesse vídeo que referiste, Daniela, Vinicius se tenha referido a Lucas como "seu", como se de uma propriedade se tratasse... É desprezível. De certo que não passou despercebido aos olhos das pessoas, por muito que perdido naquele típico discurso politicamente correcto do brasileiro... Mas isso é o pão nosso de cada dia, não é assim?

Daniela Fernandes: Consideras então que se estão a aproveitar do spotlight de Lucas para proveito próprio?

Jorge Gante (num tom irónico): Nem tão pouco mais ou menos... Ou não viram o Vinicius Nunes ser convidado para a cerimónia do Título Undisputed, como um grande campeão ao lado dos outros grandes campeões? As pessoas começam a entender quem de facto é Vinicius, e já não era sem tempo...

Daniela Fernandes: Dizes então que Vinicius Nunes está finalmente a ser visto como uma fraude, algo por que lutaste muito no passado, nos tempos da Vanguarda da Luta Livre...

Jorge Gante: Eu não digo que comece a ser visto como uma fraude aos olhos das pessoas, mas que finalmente começam a ver algo de estranho nele, sim... O que raio significa "o Lucas é meu"? Soa algo a escravatura... Ou então uma declaração homossexual na qual não acredito. Alguém tem de ajudar aquele miúdo, o Lucas. Não está de todo ao lado das pessoas certas, a meu ver.

Daniela Fernandes: Vejo-te como um forte defensor de Lucas Teles, mas a verdade é que ele se apresenta todas as semanas com a sua indumentária de Vegeta, age como se dum super-herói se tratasse, entre muitas outras coisas, algo que aparentemente repugnas. Que posição tens em relação a isso, a fim de contas?

Gante ri-se um pouco com a questão.

Jorge Gante: Não, não considero o Lucas Teles uma personagem como considerava Vinicius Nunes, por exemplo. Lucas Teles é aquilo, um miúdo engraçado e inocente que está a prestar tributo provavelmente a um ídolo de infância, a personagem Vegeta. Nada de errado há nisso, nem o torna menos credível. Muitas das manobras que pratico no ringue também são um tributo a muitos dos lutadores que eu via na televisão, antes de entrar no wrestling, e não é por isso que são menos verdadeiras... Entendes o meu ponto? Eu olho para o Lucas e vejo um miúdo que sonhou a vida inteira por este momento, para ter uma oportunidade no wrestling.

Daniela Fernandes: E em relação a Chris Wickings, terceiro a entrar neste Gauntlet e lutador que enfrentaste e derrotaste na semana passada como escolha do Edward Hosking no Pick Your Poison?

Jorge Gante (sorrindo ironicamente): É realmente necessário comentar, ou podemos naturalmente perguntar ao nosso tão prestigiado comentador francês se ainda tem pesadelos com o eco da minha joelhada nesse falso britânico? Mas eu entendo... O Chris não está para vencer fake fights, prova disso é que as perdeu todas até ao momento...

A certo momento ouve-se um grito vindo da equipa técnica:

"Ó CRISTIANO, VOLTA PARA O MMA!"

Tanto Gante como Daniela se riem deste grito inoportuno.

Daniela Fernandes (ainda a rir-se): E pronto... Teremos também Henrique Coelho, o açoriano, na quarta posição do Gauntlet, lutador que também já enfrentaste e derrotaste, mais especificamente nas semi-finais do Master of the Mat...

Jorge Gante (já recomposto): Henrique Coelho é um grande lutador, mas a par do Cheryshenko vende-se pessimamente. Sou só eu, ou quando é lançada uma nova promo do açoriano já se sabe exactamente o que vai dizer?

Gante faz uma pausa, respirando fundo.

Jorge Gante (dramatizando com sotaque açoriano): Eu sou a sensação açoriana, e tenho sangue de açoriano, e os Açores são não sei quantas ilhas e o Atlântico não sei quê, e por causa disso vou vencer-te! Ah, e também sou uma cassete açoriana que pelos vistos ficou EN... EN... ENCRAVADA! Viva o Pauleta meus brassads!

Daniela Fernandes: E por último, teremos Chaser...

O finalista do Master of the Mat força uma expressão incrédula.

Jorge Gante (excessivamente sarcástico): Chaser?! Não conheço o termo... É alguma estipulação inventada à última da hora pelo big boss Pavão para o meu combate e ninguém me avisou?!

Daniela Fernandes (confusa): Não... É o último lutador a entrar no Gauntlet, um estreante...

Gante faz um movimento corporal como se tivesse sido iluminado.

Jorge Gante (ainda sarcástico): Ah, claro... O último lutador do Gauntlet...

O lutador pausa o seu discurso propositadamente a meio, tentando criar suspense.

Jorge Gante (agora num tom sério): Nunca ouvi falar. Não devia estar no wildcard debut sendo assim, ou é um génio desconhecido como realizador e realizou um filme digno de Hollywood para ser aceite pelo Pavão?

Daniela Fernandes (ainda confusa): Pelo que consta Chaser nem sequer enviou vídeo algum ao Pavão, mas são só rumores...

Jorge Gante (novamente sarcástico): Bem, ou isso ou o Alex Torres decidiu criar um pseudónimo.

A repórter ainda algo confusa decide esquecer o tema, prosseguindo...

Daniela Fernandes: Tocaste no nome Alex Torres, um dos temas mais badalados nos últimos dias nas redes sociais por não ter sido marcado para este Gauntlet pelo Gen-X, nem em nenhum outro combate no Battlecry... Qual é a tua opinião em relação a isso?

Jorge Gante: Não vejo motivo para tal não acontecer. Foi talvez o lutador que mais merecia estar neste Gauntlet, depois da exibição que teve frente ao Hosking na semana passada.

Daniela Fernandes: Mas a verdade é que não está, e já muitos fãs vieram a público com a intenção de boicotar o evento devido à não-presença deste lutador...

Jorge Gante: Bem, eu entendo. Alex Torres apesar das suas pantufas rosa, o seu robe multicolorido, os seus vídeos de animais e o seu discurso algo pouco maduro... É um grande lutador que conseguiu conquistar o público e inclusive me conseguiu conquistar a mim, e não deve nem merece ser censurado num evento destes pela sua imagem ou por outro factor qualquer... É um escândalo.

Daniela Fernandes: Alguma mensagem que queiras deixar a Alex Torres ou sobre o mesmo, para quem nos está a ver?

Jorge Gante (batendo com ambas as mãos na perna, cantando): Deixa lutar o Alex! Deixa lutar o Alex! Deixa lutar o Alex!

Subitamente ouvem-se mais cânticos dirigidos a Alex Torres, vindos da equipa técnica...

"DEIXA LUTAR O ALEX! DEIXA LUTAR O ALEX! DEIXA LUTAR O ALEX!"

Daniela Fernandes (algo esquecida no meio dos cânticos): Bem, e aqui está. Também aqui no estúdio querem ver Alex Torres em acção no Battlecry, e fica aqui uma possível mensagem para que Pavão, o Chairman da UWL, possa eventualmente mudar de ideias...

O silêncio é gradualmente reposto no estúdio.

Daniela Fernandes: E estamos quase no fim deste Especial Battlecry, Jorge... Resta-nos apenas falar do main-event, a final do torneio Master of the Mat pelo Título Undisputed da UWL, onde enfrentarás Edward Hosking. Durante a semana trocaram algumas palavras, onde inclusive referiste que ias falar com um electricista, em menção ao desfecho controverso que teve o combate entre o inglês e o já falado Alex Torres...

Jorge Gante (sorrindo): Foi uma piada, apenas. O Estádio de Alvalade onde vai ser realizado o evento é de tecto aberto e toda a gente sabe isso. Em último caso derrotarei o Edward - caso ele decida repetir a brincadeira - ao luar. Seria romântico, algo nunca antes visto no wrestling português.

Daniela Fernandes: Edward afirmou que és uma versão UWL, um mentiroso que no fundo continua o mesmo obcecado pelo poder...

Gante ri-se, não mostrando dar muita importância.

Jorge Gante: Eu nunca fui obcecado pelo poder. Talvez a afirmação certa é sem dúvida que eu sou obcecado para que o poder não esteja nas mãos erradas... Se um tipo como o Alex, por exemplo, vencesse o título? Era sinal que o wrestling português estava seguro. Mas enquanto os contenders girarem à volta de homens como o Vinicius, o Bangalter, ou o Edward? É sinal que a modalidade corre perigo, está suja, e eu não o posso permitir... Quantos combates é que o Edward venceu sem nenhum incidente até ao momento? Um?

Daniela Fernandes: Então significa que amanhã não vais lutar apenas pelo teu sucesso individual - para seres o primeiro Campeão Undisputed - mas também pelo presente e futuro do wrestling português?

Jorge Gante Sem dúvida - é isso que este título representa. Há uma certa fracção do passado que está manchada e já ninguém a pode limpar... Perceba-se, período em que a Vanguarda da Luta Livre esteve no activo. Mas posso defender o presente e o futuro, derrotando o Hosking amanhã.

Daniela Fernandes (olhando directamente para a câmera): Palavras fortes de Jorge Gante, que afirma que o presente e o futuro do wrestling português estará em jogo amanhã, quando enfrentar Edward Hosking com o Título Undisputed em disputa, na final do torneio Master of the Mat. Infelizmente o nosso tempo esgotou-se e chega ao fim este Especial Battlecry... Agradeço ao Jorge Gante mais uma vez por ter estado aqui hoje e, não se esqueçam, Battlecry amanhã à noite na vossa SIC Radical! Até lá!

A câmera vai-se aproximando cada vez mais de ambos, ultrapassando-os a certo momento, e focando por fim, no fundo, o cartaz do Battlecry com Gante e Hosking em destaque.
avatar
Sabor Gerações
Miguel Rossiter

Mensagens : 393
Data de inscrição : 24/12/2014

Ver perfil do usuário http://jorgebogalheiro.blogspot.pt/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum